SHIUR R.SANY & PERELE – 11/11/2017

Parashat Chaie Sara (shiduchim e morte)

História do R.Sany – Primeiro ele comentou como o Satan nos persegue durante as mitzvót para tentar nos impedir de cumprí-las assim como fez com Avraham durante Hakedat Itzhak tentando fazer com que ele deixasse de cumprir. Mas não conseguiu persuadí-lo e resolveu de outra forma. Foi até a casa dele assustar Sara qe acabou falecendo para ver se ele se arrependeria de ter passado no teste. Quando fazemos uma mitzvá e nos arrependemos, é como se anulássemos toda a mitzvá. Está escrito que Avraham chorou pouco a morte de Sara. Porque? O motivo é justamente esse que não queria demonstrar para Satan que estava arrependido de ter cumprido e passado no teste de Hashem de Hakedat Itzhak. Contou uma história de que há muitos e muitos anos em Yerushalaim, quando só haviam ainda 2 yeshivót tinha um bachur que era muito perseguido por outro que sempre bucava uma forma de chateá-lo, perturbá-lo e fazer com que ele tivesse vontade de desistir dos estudos. Então esse perseguido, sempre ia até o Rosh Yeshivá se lamentar e dizer que queria sair da Yeshivá. O mesmo sempre consolava e dizia que era um grande teste que ele precisava passar,mas para continuar. E assim era durante anos. Quando chegou idade de shiduchim dos filhos do perseguido, o perseguido falou mal da filha que não tinham $$ para o casamento etc… Aí ele ficou furioso, uma coisa sou eu, agora importunar com a vida da minha família ai não vou tolerar e novamente o Rav dizia para se acalmar e continuar. Disseram que havia um empresário bem-sucedido em Viena que ajudava pessoas sem condições de casamento. Então ele resolveu ir até lá. Depois de uma longa e cansativa viagem, viu que a fila em frente ao homem rico era kilométrica. Fez amizade com um rapaz que estava na fila e ofereceu a ele que fosse para sua Pousada descansar da viagem e voltasse depois de um tempo. Chegando na pousada, ao abrir o armário se deparou com um grande envelope de dinheiro, muito dinheiro, sem nome nenhum no envelope. Pensou: Esses $$ resolve minha vida, nem preciso voltar no empresário, consigo casar minha filha e viver bem pro resto da vida. Feliz da vida, já indo embora da Pousada, percebeu que estava cercada de policiais, perguntou para alguém e disseram que estavam em busca de um fugitivo que roubava um dinheiro. Ele resolveu se passar por um homem rico apesar das vestimentas. Porém foi visto com o envelope. O policial o parou e perguntou e o senhor respondeu que era dele o dinheiro, que apesar das vestimentas simples, ele era uma pessoa rica. O policial pediu um telefone de alguém que o conhecia para confirmar se era ou não rico. Ele passou o telefone da Yeshivá e rezou para não ser o perseguidor que atendia e sim o Rosh Yeshiva. Porém, foi justamente o perseguidor que atendeu. O policial disse: Estou com fulano de tal em Viena e preciso saber se ele é um homem pobre ou rico. O perseguidor que sabia o que estava fazendo lá pensou que o empresário rico queria saber se ele mereceia $$ pra filha ou não, pensou e então respondeu: Muito rico, esse senhor é milionário. Então o policial desligou e deixou o senhor levar o dinheiroJ

A Perele contou algumas dicas de como achar um bom Shiduch. Disse que a primeira coisa é ter informações. Que isso não é tudo obviamente pq precisa antes disso ter Siat Adishmaia, rezar a vida toda, pq só de Hashem depende se vai dar certo ou não. Quando sair com alguém, não é pra ficar dando dvrei Torá, é para falar besteira mesmo e ver se tem “química”. Obviamente que alguma hora precisa chegar em assuntos relevantes de como pretende seguir a vida, nível religioso, de trabalho, se quer ter internet,tv em casa, ir pra praia etc…As referências precisam dizer sobre a família afinal midót tovót e raót são genéticos tb, se é uma pessoa de chessed etccc e por último o dinheiro que tb é importante, não o dinheiro em si, mas estar equacionado o relacionamento financeiramente. Mas não deixar esse ponto ser determinante nunca se o casal tiver se gostado. Contou algumas histórias interessantes: papagio de NY que falava em idish “ Tsipora vai dormir” que encontrou o dono anos depois na Universidade em Boston e viram como tinham mais em comum do que o papagaio e se casaram; rapaz que se casou com a menina e depois de 2 semanas pediu para jogar todas as roupas curtas fora e peruca cumprida e levou bronca do Rav que teria que indenizar a menina se fosse ter Guet pois casou sabendo de tudo isso, coisas que são difíceis de mudar; e outra de uma menina religiosa que queria sair com alguém que estudasse muito e apresentaram um estudante de arquitetura em Paris, não reliogoso mas estudante e se apaixonou por ela, mas ela não quis obviamente casar. Ele decidiu no ultimo ano da faculdade, trancar tudo e ir em uma Yeshiva, estudou durante 2 anos e depois se casou com outra menina. A anterior soube, ainda não tinha se casado e ficou um pco chateada. Ele teve alguns filhos e depois de alguns anos, ficou viúvo e se encontrou coma primeira moça que ainda estava solteira e se casaram!

 

 

 

 

 

 

Advertisements