06/05/2015

06/05/2015 – Difícil expor em palavras a generosidade do Rony. Não sei se existe no mundo alguém com coração tão sensível com as pessoas, de verdade me considero uma sortuda de tê-lo ao meu lado todos os dias, um presente de Hashem!

Estamos lançando o Vítreo Klabin, e uma das imobiliárias é a Abyara. Cada imobiliária tem seu coordenador de vendas, no nosso caso ela chama Bryza. Uma shvartze, mais velha, bem batalhadora.

Estava eu sentada no computador após um exaustivo dia com as crianças preocupada em ticar e resolver meus afazeres noturnos (sempre são muitos BH) quando o Rony me vem com um papo de que a Bryza está com um problema. Parei tudo pra olhar pensando que não poderia mais trabalhar, nos atender, enfim só enxergando nosso benefício e o que isso poderia prejudicar, essa é a natureza humana. Quando na realidade, segundo a história que ela contou pra ele (pra mim pareceu mal contada, não colocou desde o episódio da ganev em casa sou mesmo desconfiada de tudo e de todos) estão passando por mta dificuldade financeira uma vez que o marido tb é corretor e ainda não estão indo muito bem as vendas e a Eletropaulo suspendeu a eletricidade da casa deles. O  marido resolveu dar um jeito e “ fazer um gato” como essas shikses costumam fazer, mas parece que ao romper um lacre, a polícia foi acionada e ele foi detido na delegacia. Uma das coisas que aprendi com a ganev é que só é efetivamente preso é quem não é réu primário, por isso ainda maior foi minha desconfiança. O Rony disse q ela não queria contar, mas que estava passando por problemas sérios e ele que insistiu até ela contar pensando em ajuda-la. Bom, sabia que vinha grana por trás; ele precisaria pagar ao advogado uma fiança de R$3.600,00 mas ela estava tentando conseguir R$1.000,00 e convencê-lo a pagar o restante quando entrarem as comissões e… obviamente Sr. Rony em ação queria resolver pagando pra ela. Me sinto às vezes até uma pessoa má perto do Rony de tão bom coração que ele é. Na hora, nem pensei (não coloquei o shiur do R. Ari em pratica de que devemos antes de responder, absorver) e já respondi de cara que não, que isso pra mim soava estranho e que não seria a primeira vez que aconteceria, podia ser golpe blá blá blá mas q conhecendo ele do jeito que conheço tinha certeza que ele me convenceria a dar o $$.

Dito e feito. Nessa noite eu tinha me comprometido a ir com minha mae e a Eve numa inauguração de uma loja de semi-jóias de uma mulher do nosso shil e estava preocupada em agilizar logo com as crianças e picar de casa, relaxar um pouco. E onde eu ia pela casa, lá vinha ele atrás de mim pensando numa solução (eu com a cabeça em outra). Veio até o elevador pra me explicar um plano que tinha pensado de ligar e dizer q no momento não estamos com condições de ajudar financeiramente (não é mentira) mas que se dispunha a ir com ela na delegacia ver o que poderia ser feito para testar, se fosse mentira que ele tivesse na delegacia ela inventaria qq desculpa. Mas ela concordou em levar ele até lá.

No meio do evento, daquele barulho,

15/07/2015

15/07/2015 – Meio das férias escolares e final de um ciclo profissional. Escrevo hoje porque nessa semana me despeço, nem que não seja definitivamente, dos meus trabalhos na BR Corp.

Desde que me formei estou trabalhando com o Rony, mais precisamente desde o final da faculdade quando a Sarah nasceu em Mai/07, há pouco mais de 8 anos.

Foram meses evoluindo e lapidando essa vontade, aliás muitas delas refletia no assunto e chegava a conclusão de que o melhor era continuar e o Rony sempre que conversávamos a respeito não lidava e não aceitava muito bem. Sou braço direito, talvez esquerdo…diria que o motor eventualmente, a máquina executiva dele. Pois é, até nesse aspecto nos completamos, ele com sua afinidade em novas idéias, “ mergulhado” nas plantas dos projetos, novos negócios enfim uma cabeça mais estrategista. O perfil dele é zero financeiro, definiria como desapego a palavra, não sabe qual o saldo da conta dele e teme assuntos como a contabilidade, tesouraria… E eu que já sou mais antenada e gosto de controlar as despesas por natureza desde o início controle tudo. Foi difícil até para compilar minhas funções num roteiro. Quando me perguntam o que faço na BR Corp sempre acabo resumindo que sou o financeiro e contábil, mas a verdade é que se for destrinchar todas minhas funções nem lembro de cabeça. Todo e qualquer assunto que for chegando de suprimentos a Facebook se ninguém assume acabo tomando pra mim, sempre tive esse perfil centralizador, o que é bom por um lado de não deixar assuntos no vácuo, mas que me consome e deixo de ser substituível profissionalmente por outra pessoa. Vamos lá: entradas, despesas, taxas de administração, relacionamentos com bancos, documentos, financiamento, fluxo de caixa, aprovações das contas no sistema e no banco, Software de gestão, auditoria na contabilidade, auditoria na terceirização de gestão, contato com parceiros, controle de aportes, anúncios no face, decisão de suprimentos, RH (controle de férias,folha de pgto, conferência de VR/VT…),assuntos administrativos, TODOS assuntos pessoais do Rony (infos.para declaração do IR, controle do saldo em conta, pgto de contas e administração das contas,documentos em dia,tsedakót, acertos não kasher por diversas vias) enfim é o que lembro agora de cabeça, certamente estou esquecendo de muitos itens e sem contar é claro que faço as aprovações das contas do nosso Condomínio e da Sinagoga que sou tesoureira e tenho algumas outras tarefas. E só um detalhe meu período no escritório é das 9 às 12:15hs, porque 12:30hs os meninos já saem da escola e à tarde já fico total em função das atividades, horários, médicos,lições de casa, estudo pra prova enfim Chinuch deles.

Cheguei no ponto do motivo da decisão principal. Nos últimos tempos tenho tido algumas sensações, uma delas é de não dar conta de tudo. Como sou comprometida com o horário do escritório e acho importante dar exemplo de disciplina e horários aos funcionários, acabo não conseguindo conciliar com ao afazeres da casa que acabam sendo atropelados, manutenção básica de vazamentos, troca de lâmpadas etc deixo por fazer e a lista de pendências só aumenta pq obviamente que a prioridade é organização de refeições que envolvem todas as compras e organização com a Graça, pois sou eu quem faço todas as compras: açougue,sacolão,fruteiro(esses 3 por telefone), supermercado e mazal tov (pessoalmente ambos).

Estamos dessa vez o Rony e eu decididos a nos mudar de apto para uma casa que sempre sonhamos e dar mais liberdade para as crianças brincarem sem que eu tenha que ficar de plantão embaixo, mas anunciamos e além de não conseguir receber os corretores pq não páro em casa, não retorno para saber o que não satisfez o cliente…

Acredito que se as crianças estudassem período integral como nas escolas mais religiosas conseguiria trabalhar meio período e no outro organizar essas coisas, mas no Iavne não é o caso e atualmente tenho ido pra escola de 3 a 4 vezes por dia.

O segundo motivo da decisão foi que nunca encontrávamos alguém de confiança para eu passar o bastão de todas essas funções que envolvem aprovações e grana. Agora a Tati que trabalhava também só meio período saiu e contratamos o Samuel Roimicher que estou devagar passando tudo e estamos confortáveis assim com ele Baruch Hashem.

E o terceiro motivo, e não menos importante, acho que esse é, ao contrário, o mais importante, o fato de ter muito em mente que Hashem quem decide todos os assuntos inclusive Parnassá, portanto, claro que muitas vezes o marido depende do trabalho da mulher, outras vezes a mulher é a provedora da casa, massss se vamos ter R$1.000,00 ou alguns Bilhões na conta quem decide não somos nós apesar do esforço. Pensando por esse raciocínio, acredito que minha contribuição com a kavaná das minhas tefilót (que atualmente não tenho conseguido me dedicar muito para não dizer nada) será mais eficaz. Hakol Min Hashamaim, tenho emuná em Hashem que tudo ficará bem mesmo que eu saia da BR e ainda pode ser que num futuro eu volte. Porque acho que minha maior dificuldade nessa decisão é eu aceitar esse meu Status de não trabalhar. Sou de verdade muito dinâmica e como quase todas as mulheres gosto da realização de um trabalho meu. É claro que vou continuar assumindo todos os assuntos pessoais do Rony que não são poucos então isso somado a casa, carro, crianças, sinagoga tenho certeza que meu tempo estará tomado!!

Bom é isso, um desabafo e que Hashem me ajude em mais uma grande decisão da vida: parar de trabalhar fora!! Vamo que vamo que vai dar tudo certo Be”H.

29/03/14 – Reflexão sobre as tragédias que tem ocorrido

29/03/14 – Reflexão sobre as tragédias que tem ocorrido
Não sou de escrever no Face, mas foram tantas reflexões nas últimas horas resolvi escrever. Com tantos desastres naturais e jovens falecendo tão cedo acho difícil de não acordarmos. Reclamamos o tempo todo: da política do Brasil, da falta de tempo, dos filhos que nos cansam, da empregada que não aparece… Será que isso é realmente problema?! Porquê não agradecer cada instante por tantos milagres nas nossas vidas?! Parecem mais do que sinais de D´us para pararmos e refletirmos. Podíamos cada um tentar melhorar nossas mitzvót, sempre dá pra melhorar alguma característica: controlar a raiva, impaciência, inveja, rancor, fazer as pazes com alguém brigado por bobagem… E cumprirmos as mitzvót com mais kavaná saindo dessa nossa inércia.
Realmente não dá pra entender a matemática de D´us. Mas enxergamos só uma parte do filme. Muito difícil de controlar a dor, muita tristeza, uma tragédia mesmo. Mas se pudermos reverter isso em bons atos, certeza Hashem verá com bons olhos e podemos em breve ter a tão esperada vinda de Mashiach. Nossos atos fazem um verdadeiro efeito borboleta nesse mundo e no mundo vindouro. O filme ainda não chegou ao fim!!
E espero que Hashem possa dar muito conforto e força pra toda família continuar!!

No sábado seguinte à morte desse menino que me chocou demais, me sacudiu e durmo e acordo pensando nessa mãe, resolvi escrever esse texto no Face. Esatav tão down que preferi ficar em casa com o Rony assistindo um filme “mamão com açúcar” pq realmente me balançou. Depois que escrevi isso, pedi pro Rony pausar o filme e fui ao banheiro fazer xixi. Obviamente minha curiosidade é gde e entrei no Face. Recebi 2 mensagens,uma da Nathalie que queria compartilhar no Gmach e outr de uma pessoa que me escreve o seguinte: “Em mérito das suas palavras, hoje fiz as pazes com uma amiga que há 10 anos não nos falamos”. Pronto, desabei a chorar e o Rony me enchendo se era tudo pelo filme.
Me comprometi com o Rony de evitarmos Lashon Hara entre nós e comigo mesma de parar de reclamar e agradecer mesmo quando estiver cansada à noite na hora do Shema por tudo tudo!!

EDUCAÇÃO DIFÍCIL NO BRASIL – 04/12/13

Faz um tempo que tenho refletido sobre esse assunto de como será a educação das crianças no Brasil quando crescerem. Por enquanto eles ainda ficam embaixo do meu nariz, fazendo o que quero e pros lugares onde vou. Digamos que a política daqui não dá menor gosto de ler as notícias, corrupção, CPI´s, obra pública superfaturada, mensalões, vergonha geral. Economia sempre lemos que vai bem, mercado aquecido,mas as coisas custam furtunas, educação e saúde privas uma loucura. Sair nas ruas anda difícil até durante o dia, assaltos até com crianças.

Óbvio que tenho muita Emuná e isso em primeiro lugar, rezo pedindo proteção pra todos nós e me sinto mesmo muito protegida a cada instante,mas temos que fazer nossa parte, isto é, prevenir quanto der. E não sou de reclamar, de verdade que amo minha vida, amo o Rony, temos 3 jóias preciosas B”H super saudáveis que nos trazem só alegrias, muita saúde, família por perto, aaaamo minha rotina de trabalho, cuidar da casa, dos filhos, ter AJUDA da Graça e da Margarida apesar de fazer muito com eles. Enfim, só penso que nossos filhos crescendo não sei se terão as mesmas oportunidades que eu tive de voltar a pé sozinha da escola, andar de ônibus com as amigas, bicicleta pelas ruas, não me enxergo deixando eles nessa liberdade toda, confesso que sou bastante protetora como diz o Rony.

Bom, na semana passada aconteceu um episódio comigo que entendi como um pequeno sinal de Hashem. Justo na semana que estava com isso em mente. Fui deixar uma amiga na casa dela de carona de volta de uma festinha e estava no carro também com a Sarah e o Benny.

Pegamos um baita trânsito. A rua dela é mão dupla de carros e quando chegamos lá, o farol estava FECHADO com uns 4 carros parados na minha frente. Perguntei se ela podia descer ali mesmo. Abri rapidamente a porta de trás pra ajudar a tirar o filho dela. Nesse momento, saiu uma voz gritando do carro atrás: “ Ah não, não tô acreditando no que estou vendo, mas é muita folga mesmo”. Até ai ok. Do segundo que deixei o menino até a mãe, (nessas nem deixei ele na calçada pra acelerar) até entrar no carro acho que foram questão de 10 segundos. Nunca ouvi tantos palavrões em tão pouco tempo. “Sua va…, vaga…, filha da…, madame, vai trabalhar, sua pira…” Com certeza, não deve ter tido um dia fácil, talvez já devesse estar mto tempo no trânsito, fazendo um julgamento favorável,mas na hora me voltou aquele pensamento da semana. Aqui não é nosso meio, sabemos que essa Vicência não será boa influência pros nossos filhos, educar com palavrão super condenável e não almejado, valores invesrtidos, pessoas materialistas em excesso… Nessas a Sarah me pergunta sem malícia: “Mamy, o que essa moça queria com vc?” e eu rindo por dentro respondo que ela devia estar um pouco chateada que a mamy parou o carro no meio da rua. No farol seguinte, olho pelo retrovisor, ela ainda me mostra o dedo do meio e tira foto do celular da placa do carro, onde ela queria chegar? No face talvez (rsrs). E no minuto seguinte, a Sarah continua: “Mamy, com quantos anos vou poder andar sozinha na rua, com 12?” Ui vei, justamente o que eu estava pensando, muita “ coincidência” Hashem.

Se não bastasse nessa semana, saí com minhas amigas e sem me estender demais, chegamos num papo de homossexualismo que me chocou também. Elas sempre acabam sutilmente me criticando,mas não me importo posso viver nessa bolha,mas tenho certeza que é o caminho da verdade e do sucesso material e espiritual. Casamento entre 2 homens não dá pra achar normal, não? As coisas estão banalizadas demais, que horror me choco!!

DIA 10/09/2013 – EXEMPLOS

Quem conheceu o Rony na mesma época que eu ou anterior a essa fase sabe como era o estilo dele. Posso dizer que de lá pra cá e me orgulho disso, pois me considero meritória, ele mudou bastante. Confesso que ainda está bem aquém da vontade que tenho de se igualar e entrarmos num equilíbrio religioso, pensando nele obviamente e como consequência para educação dos nossos filhos.

Agora estou falando até mais de aspectos externos de cumprir shabat, comer kasher(ele ainda come queijo fora,mas pra quem comia porco c/queijo isso é um degrau gigante). Ele sempre reforça que isso deve ser a consequência que o importante é a essência da pessoa, a bondade que ela tem perante os outros, temor a Hashem…É verdade que isso importa,mas uma coisa não anula a outra, devemos tentar fazer tudo que Hashem nos ordenou na Torá, Naasê Venishmá, fazemos e ouviremos(entenderemos).

Lemos muito sobre educação e uma das coisas que mais leio em comum a todos é que educação é baseada em exemplos. De nada adianta uma teoria maravilhosa se não estão convencidos pelos nossos atos.

E seguindo esse raciocínio que concordo muito, é que gostaria que o Rony cumprisse como eu para termos uma coerência diante das crianças. Por exemplo, quando ele come um Trident ou um chocolate que não é kasher, as crianças me oferecem e não posso aceitar e nem dizer que não é kasher, pois vão estranhar que o Rony come taref.

O Benny têm me dado muito trabalho(que sejam esses meus problemas hehe) para usar kipá e tsitsit. Kipá ou boné ele nunca quer, convenço e depois de poucos minutos ele arranca. Tsitsit ele diz que incomoda, já tentei os de camisetas mais cumpridos, ou colocar uma regata por baixo para não ficar em contato direto com o corpo e é missão quase impossível, já foram muitos combinados e quando pergunto se ele quer ser tsadik e se vestir como Hashem gosta ou rashá ele diz que Rashá, tudo para não usar, não é bobo.

Há 1 ano quando fez 3 anos, o Rony começou a usar tsitsit,já fiquei super contente e surpresa. Um dia cheguei no quarto e falei  “Bê você não quer usar tsitsit igual… e parei. O Rony ouviu, entrou no quarto, nos olhamos e demos risada. Não podia comparar com o papai pq ele não usava. Desde então ele começou a usar. Agora 1 ano depois, ele têm visto como está difícil o Benny usar kipá. Ontem inventei que assim como ele ama as fantasias do Batman e Homem aranha(está super nessa fase, até dorme assim), tem fantasia de quem está perto de Hashem que é kipá e tsitsit,mas ele diz que não quer essa fantasia.

Vendo toda essa dificuldade e agora que estamos em Asseret Yemei tshuvá, os 10 dias entre Rosh Hashaná e Yom Kipur que temos que nos esforçar para mudar alguma coisa, característica e nos melhorar apesar dele já estar rezando e estudando na sinagoga de manhã e à noite que tenho ficado muito contente, escapou ontem: “Estou vendo que logo vou ter que usar kipá direto pra dar o exemplo pro Benny”. Só não cai pra trás porque estava sentada no carro,mas internamente fiquei muito feliz e nunca imaginei que esse dia fosse chegar. De fato ainda não chegou hehe,mas espero que se concretize.

Há mais ou menos 3 semanas ele entrou nessa rotina de estudo e tefilá de manhã e à noite e MinHashamaim conseguimos assinar 3 novos terrenos que não estávamos conseguindo desde o inicio do ano apesar dos esforços. Com isso ele se animou bastante, acho que foi uma brachá.

Reflexões em dia de desânimo – B”H temos Torá

Sabe aquele dia que parece que não foi feito para você? Acho se não tivesse a Torá para me fortalecer e acreditar que tudo é Min Hashamaim e que eu precisava passar por isso ou Kapará poderia ter acontecido tudo pior, estaria dessa forma. Mas confesso que hoje foi um dia de reflexões e desânimos.
Ontem a Graça me chamou para conversar para pedir um aumento do salário.Ok ela é boa, ajuda bastante, o salário não é dos melhores,mas ainda não completou 1 ano que está conosco enfim já estava com isso na cabeça.
Hoje chamei a Michelle que trabalha conosco no escritório para conversarmos sobre o ajuste que ela propôs de salário em função de ter subido de cargo, substituindo o que a Judith fazia. Propus algo similar ao aumento que ela mandou no e-mail, auxilio em cursos para não termos encargos de férias,13 e tributos. Pois bem, ela veio com um discurso um tanto quanto maluco dizendo que entrou em faculdades públicas em excelentes colocações daqui, dali e que tem muita capacidade, trabalha por hobby e que passou em um concurso público que prestou na brincadeira e que pretende estudar p/cargos públicos que ganharia muito mais,trabalhando no mole. Ainda com um papinho de que no ano que vem tem planos de adotar um filho(e eu com isso?)E que quer ter uma visão de futuro.Ou seja, depois que esperamos 1 mês de licença dela porque a mãe operou ela vem com esse papo e de novo estamos sem ninguém para fazer os fluxos e relatórios de investidores e que continuarei super sobrecarregada, desânimo total:(((
Mas sempre transpareço estar bem para as pessoas, não por falsidade mas para ver se me contagia a mudar de idéia.
Ainda fui na dentista das crianças que é minha amiga, pensei que não fosse cobrar, me cobrou R$700,00, fiquei super sem graça por ser amiga de pedir mais desconto, roubada total!
Coisas que estão relacionadas à $ me deixam assim, está tão errado isso pela Torá, eu sei, tudo é Min Hashamaim, PRECISO MUITO TRABALHAR ESSA MIDÁ EM MIM. Mês de Elul precisamos refletir é quando Hashem decreta tudo inclusive se teremos ou não Parnassá no ano seguinte.
Até cheguei a discutir com o Rony essa questão da Michelle e mais uma vez disse que no momento de ira que não trabalharia mais com ele.
Não sei se tem medo de ter que controlar tudo que faço hoje e poupo muito do tempo dele ou porque é meu marido e tem que me aturar hehe
Enfim como sempre ele me conforta que nossa situação está melhorando e é otimista que os negócios estão vingando agora e que vamos cobrir aquela maldita conta vermelha causadora das minhas arritmias e que resolveremos com a Michelle que deve ter sido um mal entendido. Eh otimismo dele!!