EVENTO DE SHAVUÓT – 06/06/2016 – casa da sra. Jane Ratz

Gostaríamos de ter feito um evento num domingo para toda familia, para crianças atividade de jardinagem, avót Ubanim e shiur para mulheres com Oficina de flores, mas não havia domingo livre na escola antes de Shavuót.

Como a Jane tinha há um tempo oferecido a casa para fazer um shiur, decicimos fazer só para as mulheres. A Hany me ajudou com idéias e chamou a Morá Monique para dar o shiur.

A Tamara Roimicher me fez o flyer mas da próxima vez pedirei a outra pessoa, demorou demais como ela não tem Photoshop em casa, cada ajuste tinha que esperar dias e acabamos soltando muito em cima. Tive que eu mesma fazer um Save the data 2 semanas antes. Infelizmente, haverá tb um outro shiur um dia depois da Emuná sobre Shavuót na casa da Ariane Stern, disseram que tb não tinham outra data.

Cotei com a Tamara Murachovich da Flor e Cor e com a Lolita Shamma que trabalha com a cunhada Esther Piccioto. Com a Tamara, ela fez por R$50,00 preço de custo, segundo ela. A Lollita passou um valor de R$50,00 se fosse fazer algo diferente em um aquário com flores pra fora, para sair do tradicional. Conversei com o Hanan que não liberou verba para nada. Portanto, pedi se conseguiam fazer algo bacana porém no máximo a R$30,00. A idéia seria cobrar R$20,00/pessoa e a diferença veria com o Rony para cobrir. Fizemos o flyer considerando isso, antes de mandar achei melhor mostrar pra Jane pq percebi que ela queria algo bem caprichado. Havíamos sugerido de nos dividirmos com os pratos cd uma prepararia alguma coisa para servir, mas ela enfatizou que chamaria o Menorá.

De fato ela não aceitou que cobrássemos das pessoas ufa foi um feeling que tive antes de mandar nos grupos se não já era.

Com isso, a Tamara fez um novo ajuste e depois divulguei nos grupos.

Pedi a confirmação para melhor organização e segurança mas tinha certeza de que seria difícil, mães com crianças pqnas decidem na hr se conseguem ou não.

Encomendei com a Lolita 35 arranjos e a Jane encomendou Menora pra 30 pessoas.

No dia, pensei em entregar um arranjo bonito de flores para Jane como agradecimento e um para Morá Monique. Pedi à Lolita que conseguiu em tempo, fizeram por R$80,00 cada arranjo com orquídea amarela, num caxepô espelhado e galhos, ficou alto, super bonito e com presença.

Levei no dia na casa da Jane minha mesa dobrável, as luvas de vinil que comprei e tesouras e fui para ver se eram suficientes as mesas. Para 35 pessoas com certeza seria…

Escrevi um discurso de agradecimento à Jane, à Mora Monique e algumas palavras em Leilui Nishmat do Shulim ben Azriel (marido da Jane). Pedi ajuda do R. Valt, Chanan e do Rony. Basicamente disse que veio de uma familia chassídica de Londres, bem conhecida, que fazia mto chessed e tsedaká e que transmitiram isso pra ele que era muito generoso não só com Beit Chinuch. Para nosso shil ele doou um Sefer Torá, Parte da biblioteca, cota da reforma do refeitório e sempre se antecipava antes de pedirem ajuda, um exemplo de chessed! Trienei umas 5 vezes no espelho e inclusive pra Sarah q adorou hehe

Organizei tb no dia um cronograma pra não se estender muito. A idéia era começar pelo shiur pra não ficar tarde pra Morá Monique voltar, mas como usaríamos a mesa principal pras flores e o Menorá precisaria de tempo para montar, optamos por fazer primeiro o workshop de flores das 20:30(estava marcado para 20:00) às 21:15hs.shiur até às 22:00 e depois os comes e bebes. No final, atrasou tudo um pouco e o shiur acabou 22:20hs. 

Mesmo com uma super chuva, vieram aproximadamente 50 mulheres talvez até um pco mais BH. Faltou caxepô pra todas e as que ficaram de fora, ficaram batendo papo. Essa foi a falha, mas sem as confirmações ficaria difícil mesmo. Passei uma lista do Gardens e outras pessoas que chamei e a Jane deixou na portaria. O arranjo ficou lindo e super diferente, o caxepô espelhado super presença, elas foram ótimas super dedicadas, valeu super a pena.

O shiur tb foi mto bom, ela vai bem gostoso depois anoto.

E a comida nem preciso dizer que foi incrível. Na hora do workshop foram servindo os salgados e sopas que não experimentei mas disseram que estava tudo excelente tb e depois do shiur uma mesa de doces chalavi (sorvete, cheescake, bolo de churros…) loucura!

Foi espetacular BH, minhas tefilót foram atendidas.

Sempre falo que será o último evento que organizo, além do trabalho ando um pouco calejada das críticas. Apesar de sempre ter lidado relativamente bem com isso que sei ser inevitável e é claro com a ajuda do Rony que me estimula e sempre diz que quem não tenta não erra, dessa vez fiquei um pouco chateada. Duas mulheres bem religiosas uma qndo estava tudo pronto, flyer, florista fechado me pergunta será que precisa mesmo das flores?? Oi e o derech eretz além de vários outros palpites sem ter ao menos se oferecido de ajudar, fui tocando tudo sozinha e outra comentou com minha mãe um comentário meio maldoso que obvio como sempre tentei julgar pro bem: Vc viu que a Jane ficou bem chateada com sua filha que queria cobrar pelas flores? Desnecessário. E por último, amigas dizendo: “Me, vim por vc!” BH fico felix pelo prestígio, mas gostaria que viessem de vontade prórpia. Por outro lado pensei depois do shiur não importa a causa, consegui fazer Kidush Hashem de outras pessoas ouvirem palavras de Torá enfim vamos ver qnto tempo aguentarei sem organizar nada:) Pedi pro Rony me vetar a próxima, veremos…

OBRIGADA HASHEM!

FOI ACIMA DA MINHA EXPECTATIVA, TUDO MARAVILHOSO E BEM ELOGIADO BH

REUNIÃO COM MORÁ MAURA SOBRE BENNY – 25/05/16

Como sempre tem a bola da vez, essa vez é do Benninho. Eu e o Rony estamos com muuuuita dificuldade em lidar com ele em tudo, todos os dias. Simplesmente explodo o dia inteiro e o Rony qndo explode, bate de sair lágrima dos olhos dele e me partir o coração apesar de dar razão pro Rony que ele nos tira do sério; seja com nossas mil repetições de cada coisa e ele nem tchum, seja pela agitação dele o dia todo inclusive na hora de dormir que mesmo depois de um tipo lotado de atividades (escola até às 15:00, natação, tênis, corrida na hebraica) se debate na cama aos gritos como se tivesse tomado um energético, coisa de maluco (detalhe no horário certo q estamos mais pacientes=)

Relatamos os seguintes itens:

  • Sempre está atrasado nas funções-enquanto a Sarah e o Eiby já obedeceram e fizeram lição, banho, janta, ele ainda está rodando pela casa ou então todos estão prontos pra sair de casa, ele não se arruma (nem sozinho nem com ajuda) e qndo estamos na porta decide se mexer;
  • Quer chamar atenção – depois que brigamos bastante com ele, com certeza fica sensível e mexido, deve se sentir um fracassado, mas na hora não vemos outra saída. Um dia desses fugiu de casa e eu com essa barriga fui subindo de andar em andar, depois de já ter avisado o porteiro e ter rodado na garagem e no térreo. A Graça com pena de mim decidiu ir atrás dele com a Sarah e encontraram sentadinho do outro lado do corredor do térreo(obvio que foi o único lugar que não procurei) mas acho que ele ouviu eu falando com o porteiro e se sentiu importante logo foi saindo e subiu feliz
  • Fala choramingando tudo que quer ou gritando;
  • Temos que falar TUDO repetidamente milhares de vezes até perdermos a paciência e explodir, isso é uma constância;

DICAS DA MAURA

  • Ela disse que ele dá mais importência p/os brinquedos dele, pras invenções dele, do que o que está acontecendo ao redor. Brinca e interage qndo interessa, e assim tb funciona na escola. Precisamos tentar chamar atenção para usar a criatividade para beneficiar as pessoas da família,a casa e envolver os outros tb e assim tentamos interromper com as vontades próprias dele. Tentar inserir mais ele nas brincadeiras da casa, nos jogos não deixar ele de lado só nas invencoes dele.
  • Ele precisa aprender a lidar com as frustrações. Se esforçar para ele expor os sentimentos dele, nos explicar para tentarmos ajudar, dando dicas: “ Vc está triste, nervoso, irritado, chateado, com fome, curioso,com raiva….?” Pedir sempre pra ele nomear esses sentimentos.
  • Envolver ele nos questionamentos: “ estamos bravos com vc” em frases curtas sem mto discurso, vc quer que fiquemos sempre assim? Não fala várias vezes por exemplo: “ Vai tomar banho, vai fazer a lição”, fala “ estou ficando brava, nervosa que vc não vai pro banho” e vai intensificando “ estou me decepcionando com vc”. Ele precisa se sentir incomodado com as atitudes dele.
  • Sobre lição de casa – colocar ampulheta, relógio para ter tempo de terminar. Se não souber o que é pra fazer (que costuma dizer isso), pede para ele ligar a um amigo e descobrir, pedir as explicações, para ele ter o trabalho e reconhecer que precisa prestar mais atenção nas explicações durante a aula. Essa dica assim como outras que lea dá parece boba, mas comecei a colocar em prática. O Rony descobriu um aplicativo com ampulheta q vira o celular e vc programa qntos mins quer,mas como quase nunca ele está na hora da lição tenho colocado cronômetro e digo que ele tem 5mins pra terminar cada página. Tem funcionado hiper bem, ele agiliza e fica super concentrado, espero que não vença.
  • Sugeriu de virmos a parte médica se está ok, às vezes pode ser vermes ou alguma outra coisa que está deixando ele agitado.
  • Relatamos tb que sentimos ele um pouco atrasado na leitura, principalmente em relação ao Eiby que já está lendo super bem, quase sem pausa e se esforça muito mais, gosta de ler antes de dormir sozinho e o Benny demonstra bastante preguiça.

Bom mais uma vez a mesma conclusão, de que nenhum dele nasce com Manual de Instruções e cabe a nós desvendar as ferramentas e o estilo de como lidar com cada um. Cada crianças é realmente um mundo de sentimentos e reações diferentes! Espero que logo passe essa faseJ Pq o Benny é uma criança brilhante, criativo como nunca vimos nada igual e um coração generoso que tb desconheço em qq criança, sempre oferecendo as coisas ou a vez dele sem pedirmos!!

EVENTO DE SHAVUÓT – 06/06/2016 – casa da sra. Jane Ratz

Gostaríamos de ter feito um evento num domingo para toda familia, para crianças atividade de jardinagem, avót Ubanim e shiur para mulheres com Oficina de flores, mas não havia domingo livre na escola antes de Shavuót.

Como a Jane tinha há um tempo oferecido a casa para fazer um shiur, decicimos fazer só para as mulheres. A Hany me ajudou com idéias e chamou a Morá Monique para dar o shiur.

A Tamara Roimicher me fez o flyer mas da próxima vez pedirei a outra pessoa, demorou demais como ela não tem Photoshop em casa, cada ajuste tinha que esperar dias e acabamos soltando muito em cima. Tive que eu mesma fazer um Save the data 2 semanas antes. Infelizmente, haverá tb um outro shiur um dia depois da Emuná sobre Shavuót na casa da Ariane Stern, disseram que tb não tinham outra data.

Cotei com a Tamara Murachovich da Flor e Cor e com a Lolita Shamma que trabalha com a cunhada Esther Piccioto. Com a Tamara, ela fez por R$50,00 preço de custo, segundo ela. A Lollita passou um valor de R$50,00 se fosse fazer algo diferente em um aquário com flores pra fora, para sair do tradicional. Conversei com o Hanan que não liberou verba para nada. Portanto, pedi se conseguiam fazer algo bacana porém no máximo a R$30,00. A idéia seria cobrar R$20,00/pessoa e a diferença veria com o Rony para cobrir. Fizemos o flyer considerando isso, antes de mandar achei melhor mostrar pra Jane pq percebi que ela queria algo bem caprichado. Havíamos sugerido de nos dividirmos com os pratos cd uma prepararia alguma coisa para servir, mas ela enfatizou que chamaria o Menorá.

De fato ela não aceitou que cobrássemos das pessoas ufa foi um feeling que tive antes de mandar nos grupos se não já era.

Com isso, a Tamara fez um novo ajuste e depois divulguei nos grupos.

Pedi a confirmação para melhor organização e segurança mas tinha certeza de que seria difícil, mães com crianças pqnas decidem na hr se conseguem ou não.

Encomendei com a Lolita 35 arranjos e a Jane encomendou Menora pra 30 pessoas.

No dia, pensei em entregar um arranjo bonito de flores para Jane como agradecimento e um para Morá Monique. Pedi à Lolita que conseguiu em tempo, fizeram por R$80,00 cada arranjo com orquídea amarela, num caxepô espelhado e galhos, ficou alto, super bonito e com presença.

Levei no dia na casa da Jane minha mesa dobrável, as luvas de vinil que comprei e tesouras e fui para ver se eram suficientes as mesas. Para 35 pessoas com certeza seria…

Escrevi um discurso de agradecimento à Jane, à Mora Monique e algumas palavras em Leilui Nishmat do Shulim ben Azriel (marido da Jane). Pedi ajuda do R. Valt, Chanan e do Rony. Basicamente disse que veio de uma familia chassídica de Londres, bem conhecida, que fazia mto chessed e tsedaká e que transmitiram isso pra ele que era muito generoso não só com Beit Chinuch. Para nosso shil ele doou um Sefer Torá, Parte da biblioteca, cota da reforma do refeitório e sempre se antecipava antes de pedirem ajuda, um exemplo de chessed! Trienei umas 5 vezes no espelho e inclusive pra Sarah q adorou hehe

Organizei tb no dia um cronograma pra não se estender muito. A idéia era começar pelo shiur pra não ficar tarde pra Morá Monique voltar, mas como usaríamos a mesa principal pras flores e o Menorá precisaria de tempo para montar, optamos por fazer primeiro o workshop de flores das 20:30(estava marcado para 20:00) às 21:15hs.shiur até às 22:00 e depois os comes e bebes. No final, atrasou tudo um pouco e o shiur acabou 22:20hs.

Mesmo com uma super chuva, vieram aproximadamente 50 mulheres talvez até um pco mais BH. Faltou caxepô pra todas e as que ficaram de fora, ficaram batendo papo. Essa foi a falha, mas sem as confirmações ficaria difícil mesmo. Passei uma lista do Gardens e outras pessoas que chamei e a Jane deixou na portaria. O arranjo ficou lindo e super diferente, o caxepô espelhado super presença, elas foram ótimas super dedicadas, valeu super a pena.

O shiur tb foi mto bom, ela vai bem gostoso depois anoto.

E a comida nem preciso dizer que foi incrível. Na hora do workshop foram servindo os salgados e sopas que não experimentei mas disseram que estava tudo excelente tb e depois do shiur uma mesa de doces chalavi (sorvete, cheescake, bolo de churros…) loucura!

Foi espetacular BH, minhas tefilót foram atendidas.

Sempre falo que será o último evento que organizo, além do trabalho ando um pouco calejada das críticas. Apesar de sempre ter lidado relativamente bem com isso que sei ser inevitável e é claro com a ajuda do Rony que me estimula e sempre diz que quem não tenta não erra, dessa vez fiquei um pouco chateada. Duas mulheres bem religiosas uma qndo estava tudo pronto, flyer, florista fechado me pergunta será que precisa mesmo das flores?? Oi e o derech eretz além de vários outros palpites sem ter ao menos se oferecido de ajudar, fui tocando tudo sozinha e outra comentou com minha mãe um comentário meio maldoso que obvio como sempre tentei julgar pro bem: Vc viu que a Jane ficou bem chateada com sua filha que queria cobrar pelas flores? Desnecessário. E por último, amigas dizendo: “Me, vim por vc!” BH fico felix pelo prestígio, mas gostaria que viessem de vontade prórpia. Por outro lado pensei depois do shiur não importa a causa, consegui fazer Kidush Hashem de outras pessoas ouvirem palavras de Torá enfim vamos ver qnto tempo aguentarei sem organizar nada:) Pedi pro Rony me vetar a próxima, veremos…

OBRIGADA HASHEM FOI ACIMA DA MINHA EXPECTATIVA, TUDO MARAVILHOSO E BEM ELOGIADO BH

 

 

 

 

 

 

04/01/16 – CONTANDO PARA OS MENINOS SOBRE MINHA QUARTA GRAVIDEZ!!

Essa foi uma cena digna de ter filmado, me arrependi, como estava dirigindo ficava difícil, mas foi muuuito divertida!

Antes da viagem de Fortaleza tivemos que contar para Sarah aliás fez parte do nosso super combinado. Nossa estratégia foi a seguinte: se falasse que eu não iria viajar com eles ela simplesmente falaria que não iria também afinal é total meu grudinho. Então decidimos dizer que por algum motivo que só contaríamos se ela aceitasse ir com o papi e os meninos eu não iria. E que se ela não aceitasse ir, perderia além dessa super viagem a próxima tão sonhada com a vovó Gre pra Disney. Foram praticamente 2 horas de muito choro , enxeção mas não contamos. Quando ela já estava inchada de tanto chorar disse que quando a mamãe tem algum probleminha ou alguma coisa pra decidir a melhor coisa a fazer é rezar pra Hashem ajudar na melhor escolha e no dia seguinte com a cabeça fria tomava a decisão. E foi o que ela fez, me escutou. No dia seguinte acordou toda alegre e bem decidida que iria para Fortaleza mesmo sem mim (choque total) sem demonstrar) massss que eu contasse naquele mesmo instante. Contei da gravidez e seu choque foi maior que o meu dela estar indo só com o papi, alegria infinita, era tudo que ela queria e pedia já há um bom tempo. Só pedi para que não contasse a ninguém afinal nem as vovós não sabiam. No dia seguinte (no mesmo dia da viagem ) foi meu ultrassom morfológico e ela veio junto comigo no Fleury. Mal a médica chegou e sua ansiedade era tanta que só repetia: “ vc pode ver logo se é menina…”E assim ela milagrosamente viajou com o papi. OBs: só para não esquecer com o tempo, deixei de viajar por causa do Zika vírus que está epidêmico no Nordeste e a médica não autorizou, fiquei de castigoL mas por uma ótima causa e mega feliz, era tudo que eu queria!

Na volta, busquei todos no aeroporto e já não via a hora de contar logo para os meninos que nem imaginavam e nem perguntaram pq a mami não foi só rolou um comentário do Eiby (obviamente relacionado a comida) que era melhor mesmo que a mami não estava indo pq a comida do avião não era kasher (nem tinha, vôo doméstico mas ele estava muito preocupado com esse fato relevante).

Dirigindo em direção à nossa casa disse que tínhamos um presente para dar pra eles e que teriam que advinhar o que era. Falei que era um presente para vida toda e que só chegaria daqui a 6 meses. Hummm o Benny deu um grito: ROUPÃO!! Justo estou mandando fazer pra natação dos 3 e disse que vou fazer bem cumprido para durar mais tempo hehe O segundo chute foi do Eiby: TATUAGEM DO BEACH PARK! Engraçado, até tem razão que tatuagem dura, claro que não essaJ Tentei dar uma pista:” não é roupa nem brinquedo e esse presente pode ser com coisas rosas ou azuis” e então um grito: já sei, óculos de natação e depois CAMINHÃO pra dirigirmos qndo ficarmos adultos haha uma melhor que a outra. Então o papi disse: tem neshama e o Benny no mesmo instante: Hashem!! A Sarah pra ajudar deu uma dica tem osso. E o Benny certo que que agora sabia disse: MAIS UMA AVÓ!! Hahaha 3 não são suficientes, tem que fabricar mais uma e logo depois ele mesmo chutou Bebê. Ufaaa mas foi hiper divertido! E a alegria deles não cabe, não falam de outro assunto, toda hora querem ver o ultrassom (aliás mostrei o 3D o Benny me perguntou onde estava o óculos pra ver o 3D) e já querem espalhar geral a notícia! Fazem carinho o dia todo na minha barriga e arrumei o maior pretexto pra não gritarem o bebê se assusta, até skate o Benny quer parar de andar em casa pra não assustar hehe demaisss alegria foi geral BH Caunting down!

 

SUCÓT 2015 ÉRETZ – KIBUTZ LAVI

PESQUISA SOBRE POSSIBILIDADE DE MORAR LÁ

1)Hertzlia – não conhece – VEJA SE ELE CONHECE ALGUMA FAMÍLIA DE

PREFERÊNCIA BRASILEIROS QUE MORAM LÁ;

2)Yat Biniamin – Sul de Tel Aviv,perto de Rehovot, onde mora o Alexandre Benedek, população boa; –

DESCARTAMOS, PARECE MTO PACATO!

3)Petach Tikva- tem um bairro novo chamado KFar gamim Guimel com bastante gente de fora de Israel,tem casas boas e boas escolas(Noam e Lamer Chal) são particulares, sendo Lamer Chal mais forte e vão da Kita Alef até o final; – APARENTEMENTE GOSTAMOS PELAS IMAGENS, VER SE TEM

BRASILEIROS CONHECIDOS QUE MORAM LÁ? NÃO ACHAMOS OS SITES DAS ESCOLAS,

CONFIRMAR OS NOMES;

4)Modi’in- mtos brasileiros,tem uma boa escola chamada Leman Achai;

5) Netanya – não conhece, mas de todas essas cidades é a que mais nos atrai pelo fato de que tem praia e a cidade não ser tão pequena;

 

 IMPRESSÕES DA ROTINA DIÁRIA (Out/15)

 

Depois de Sucót no Kibutz Lavi, já havíamos decido alugar um carro e passear por essas cidades e visitar algumas escolas, conhecer alguns bairros e kehilot para sentirmos mais a vida no dia-a-dia como ela é e não só as impressões que temos nas viagens a passeios com tour gastronômico e pontos turísticos.

 

07/10/15- visitamos uma escola de meninos em Netanya chamada Horev. Chegamos 1/2 hora antes de terminar a aula, conversamos com o diretor R.Yossef Krienaski(050)41-19402. Vai de Kita א até ח )até 13 anos no colegial tem alunos q vão pra yeshiva e tem outros que vão pra mais fechadas e depois parte vai para yeshiva university. São 250 alunos,só meninos,ao lado tem a Beit Yacov das meninas. Tem mtos franceses. A aparência da escola é médio,parece pouco cuidada,banheiros sujos,nível religioso mais do que o nosso. O Rony fez tefila com os alunos. Saída da escola às 15:00hs. É uma escola pública, foi um rabino que nos indicou mas não curtimos muito. Gostaríamos de ter conhecido alguma estilo Iavne em Netanya, precisamos perguntar para alguém.

Noam

Lamer chal

Kafalanski,61 petah tikva

035395555

4.700.000 shkalim

280m2 construído /250m2 terreno

0524412703 avi

Não paramos hj de visitar cidades pra conhecer potenciais e tal. Muito legal, gostamos mto de petah tikva em Kvar gamal Guimel casas e prédios lindos,novos! Agora viemos num ishuv Kadima q uma moça da loja do sorvete nos falou(nos convencendo a vir fazer aliá) casas legais mas zero religioso (uma moça que paramos na rua pegou o celular do Rony para passar umas dicas, ficou de descobrir algum Ishuv mais religioso). Os meninos com a gente já cansados de tanto rodar,Benny me pergunta pq viajamos? Respondi q é gostoso,passeamos,conhecemos lugares novos e custa caro(pra ele valorizar) e então ele conclui: então as aeromoças do avião são mto ricas pq elas viajam muito:)

Jantamos no Mc Donalds e eu comi aquele sundae de caramelo delicioso q sonho com ele maravilhoso valeu cada caloria!

Dia 07/10- escolas Lamer chal e darchei Noam (indicadas pelo Ivo)

Brulia,2 ou bruria

Viemos numa escola em Petah tikva chamada דרכי נעם mto legal,gostamos mto,estilo parecido com Iavne e estrutura boa prédio gde,kitot parecidas,bem cuidadas,quadras. Tem aproximadamente 800 alunos de Gan até Kita Vav,tem meninos e meninas na mesma escola, mas lados separados(tirei 2fotos). A Guila é uma mora parece q coordenadora nos atendeu mto bem,explicou tudo. Segundo ela a escola é forte de limud chol e kodesh, inglês só a partir da Kita Guimel. Depois de lá meninas e meninos podem ir,respectivamente,para michlala e yeshiva do mesmo grupo com diretores diferentes. Ela disse inclusive q tem várias famílias brasileiras q os filhos estudam lá,Diamand,Tabach,Fuchs… É particular, custa aproximadamente 500 shkalim por mês! Endereço אמסטרדם 13 o telefone é 03-9238085 e-mail da escola naomyesodi@gmail.com

Pareceu estilo do Iavne, talvez um pouco mais religioso. Meninas e meninos ficam em lados separados.

Ishuv Nechalim- 12 minutos dessa escola, parece um condomínio estilo Atibaia com casas gostosas parece q está no campo(foto) mas parece q está começando a valorizar aqui e custa até mais caro que petah tikva

Um morador falou pra procurarmos num site yadshtaim.com

Depois de pararmos em Ra’anana pq os meninos estavam cheios o Rony se empolgou na pesquisa e resolveu continuar a volta sozinho.

Ele foi em mais 2 Ishuvim,15 mins de Ra’anana perto de netanya(do outro da estrada), parecido com o que fomos de manhã tinham casas boas outras mais antigas

O outro chamado.       1/2hr de Ra’anana nenhuma cidade conhecida próxima. Esse descartaria pq é longe mas mais caído.

Dia 09/10-sexta fomos cedo para Yerushalaim. Primeiro passamos em um terreno em um bairro que está sendo criado perto de lá. É depois de um bairro q tb é recente mas mais consolidado e q obviamente dá pra visualizar mais! Pareceu gostoso mas me vejo mais morando naquele ishuv próximo de petah tikva apesar de q amo Yerushalaim. Depois visitamos o Dany, as ccs chegaram sozinhas da escola(isso é completamente fora da nossa realidade,a de 11 busca a de 3 e voltam sozinhas todas). Visitamos o apto novo que ainda está bem detonado,passará por reforma e depois almoçamos na pizzaria pq shwarma estava fechado. Passei numa loja de tsitsit,comprei pra eles 4 cd um por 29 shkalim. Chegando em Ra’anana combinei de passar no Rafa Kuper pro eiby ver ele. Fiquei quase 1hr lá,foi gostoso ficamos batendo papo. Eles compraram uma casa bem gde,bonita mas zero nosso estilo(tudo neoclássico) não trouxeram nada do Brasil de móveis. Eles ainda me pareceram bem perdidos,ela não fala mto hebraico,as ccs ainda se adaptando disse q não imaginava q fosse tão difícil esse começo!! E depois shabes B”H.

Dia 10/10 -Shabat em Ra’anana combinamos depois do almoço do David Susskind vir se encontrar pra irmos no parque. A Marcia Kupershmidt q é prima dele veio junto e o eiby aproveitou e curtiu mais o Rafa. O parque é bem gostoso,agradável e cheio de crianças. Algumas amigas da nathalie com as ccs vieram e o eiby já se virando no ivrit viu um menino jogando água do bebedouro gritou:”dai ieled” e depois um garoto brigando com ele e o rafa ele grita:”Lerro Lerro Lerro (sotaque hebraico) ani brasileirro (mesmo sotaque) não é demais como as ccs absorvem idiomas!? Quem dera fico hiper tímida e as pcas palavras que sei me somem!!

Motse Shabat fomos na Ingrid visita-los como sempre as crianças amaram,brincaram,sarah tocou teclado outro mundo,mas uma delícia rever. Ano q vem já é bar-mitzva do Yoshua  espero q estejamos aqui Be”H.

 

Brulia,2 ou bruria

Viemos numa escola em Petah tikva chamada דרכי נעם mto legal,gostamos mto,estilo parecido com Iavne e estrutura boa prédio gde,kitot parecidas,bem cuidadas,quadras. Tem aproximadamente 800 alunos de Gan até Kita Vav,tem meninos e meninas na mesma escola,mas lados separados(tirei 2fotos). A Guila é uma mora parece q coordenadora nos atendeu,explicou tudo,segundo ela a escola é forte de limud chol e kodesh,inglês só a partir da Kita Guimel. Depois de lá meninas e meninos podem ir,respectivamente,para michlala e yeshiva do mesmo grupo com diretores diferentes. Ela disse inclusive q tem várias famílias brasileiras q os filhos estudam lá,Diamand,Tabach,Fuchs… É particular,custa aproximadamente 500 shkalim por mês! Endereço אמסטרדם 13 o telefone é 03-9238085 e-mail da escola naomyesodi@gmail.com

Ishuv Nechalim- 12 minutos dessa escola,parece um condomínio estilo Atibaia com casas gostosas parece q está no campo(foto) mas parece q está começando a valorizar aqui e custa até mais caro que petah tikva

Depois de pararmos em Ra’anana pq os meninos estavam cheios o Rony se empolgou na pesquisa e resolveu continuar a volta sozinho.

Ele foi em mais 2 Ishuvim,15 mins de Ra’anana perto de netanya(do outro da estrada), parecido com o que fomos de manhã tinham casas boas outras mais antigas

O outro chamado.       1/2hr de Ra’anana nenhuma cidade conhecida próxima. Esse descartaria pq é longe mas mais caído.

Dia 09/10-sexta fomos cedo para Yerushalaim. Primeiro passamos em um terreno em um bairro que está sendo criado perto de lá. É depois de um bairro q tb é recente mas mais consolidado e q obviamente dá pra visualizar mais! Pareceu gostoso mas me vejo mais morando naquele ishuv próximo de petah tikva apesar de q amo Yerushalaim. Depois visitamos o Dany, as ccs chegaram sozinhas da escola(isso é completamente fora da nossa realidade,a de 11 busca a de 3 e voltam sozinhas todas). Visitamos o apto novo que ainda está bem detonado,passará por reforma e depois almoçamos na pizzaria pq shwarma estava fechado. Passei numa loja de tsitsit,comprei pra eles 4 cd um por 29 shkalim. Chegando em Ra’anana combinei de passar no Rafa Kuper pro eiby ver ele. Fiquei quase 1hr lá,foi gostoso ficamos batendo papo. Eles compraram uma casa bem gde,bonita mas zero nosso estilo(tudo neoclássico) não trouxeram nada do Brasil de móveis. Eles ainda me pareceram bem perdidos,ela não fala mto hebraico,as ccs ainda se adaptando disse q não imaginava q fosse tão difícil esse começo!! E depois shabes B”H.

Dia 10/10 -Shabat em Ra’anana combinamos depois do almoço do David Susskind vir se encontrar pra irmos no parque. A Marcia Kupershmidt q é prima dele veio junto e o eiby aproveitou e curtiu mais o Rafa. O parque é bem gostoso,agradável e cheio de crianças. Algumas amigas da nathalie com as ccs vieram e o eiby já se virando no ivrit viu um menino jogando água do bebedouro gritou:”dai ieled” e depois um garoto brigando com ele e o rafa ele grita:”Lerro Lerro Lerro (sotaque hebraico) ani brasileirro (mesmo sotaque) não é demais como as ccs absorvem idiomas!? Quem dera fico hiper tímida e as pcas palavras que sei me somem!!

Motse Shabat fomos na Ingrid visita-los como sempre as crianças amaram,brincaram,sarah tocou teclado outro mundo,mas uma delícia rever. Ano q vem já é bar-mitzva do Yoshua  espero q estejamos aqui Be”H.

Dia 11/10- acordamos cedo,levamos as ccs na escola,primeiro o Yossi pertinho,depois a Tamy e o Arie falamos q queríamos entrar pra comparar com Iavne. A escola deles chama Noam. Tem para meninos e meninas até 12 anos mas lado separado recreio junto, achamos bem parecida com Iavne as classes arrumadinhas,quadra grande,tem uniforme,crianças felizes!

Voltamos pra casa,terminei de arrumar as malas,tomei banho,rezei,fui com a nathalie (sarah e benny vieram junto) na loja dos temperos comprar pecan caramelada,cranberry,lasca amêndoa,pinhole e tal colocamos as malas no carro e de saidera fomos almoçar fora. O Rony e a sarah estavam loucos por um shwarma,mas não encontramos e fomos num Gril bem bonito e delicioso,comi um hambúrguer de lamb incrível…fechamos com chave de ouro. Ainda passamos no super comprar água,farmacia after shave…aqui o dia rende! Rony me deixou no terminal com as kids e malas e foi devolver o carro. Demorou praticamente 1hr q tudo aconteceu inclusive sarah apertada pra coco e eu com os 2 carrinhos lotados de malas,Benny e eiby correndo pelo aeroporto e fazendo uma zona de comida e bebida espalhada daquelas que fingimos não conhecer tive que largar tudo com um segurança e levar ela com todos!

O FILHO DE ESTER – JEAN SASSON

MELHOR LIVRO DOS ÚLTIMOS TEMPOS QUE JÁ LI

Havia uma família judia na Polônia com 5 filhos cujos pais eram mais tradicionais religiosos. Eles tinham um poder aquisitivo muito bom, família Stein. E outra família na França com 4 filhos (Michel, Jacques, Joseph e Rachel) que eram mais afastados da religião.

A família Stein costumava passar férias na França e em uma dessas férias, os irmãos Jacques e Joseph (da família Gale) conheceram a única filha mulher deles, Ester. Apesar de ambos serem muito mulherengos, se apaixonaram pela menina que parecia muita “ areia” pra eles, além de ser mais religiosa então não namorava com garotos antes do casamento. Após essa pqna disputa entre irmãos, Joseph acabou vencendo e insistiu até o final para conseguir casar com a moça.

Os pais dela eram veementemente contra esse casamento uma vez que ele não seguia a religião como gostariam. Ele implorou e combinou com o sogro que assim que ela engravidasse, eles iriam à Polônia para ter esse filho ao lado dos pais dela. Mal sabiam os problemas e dificuldades que encontrariam pela frente… E com isso, o pai a contra-gosto aceitou.

Conforme o combinado, Ester engravidou e eles seguiram para Polônia e o pai de Ester (moses) conseguiu perceber como de fato o genro a tratava bem e era apaixonado. Era o ano de 1938 em que se traçava os primeiros sinais antissemitas na Polônia e no resto da Europa. Moses que tinha muito dinheiro, sempre reunia os filhos em casa para refletir a situação que estava ocorrendo e explicar-lhes sobre suas reservas caso houvesse uma guerra. Em pouquíssimo tempo, coincidentemente com o nascimento da primeira filha do casal, Miriam, começou a guerra e logo foram levados ao gueto. Aos poucos a pobreza da família Stein foi pairando e o luxo das comidas se resumia à economias de carne e leite nas refeições. No início, com a riqueza da família eles conseguiam fazer subornos aos policiais judeus do gueto e Joseph chegou até a dar uma vez moedas à uma mulher que gritava pelas ruas de fome. As cenas eram cada vez mais chocantes, mas a esperança de se livrarem daquilo tudo era enorme.

Havia um policial da S.S.(alemão) chamado Karl Dexler que tinha um espírito nazista muito semelhante ao Hitler. Seu pai trabalhou para judeus e ao ficar desempregado enraizou nos filhos um ódio absoluto pelo sucesso econômico dos judeus. Seu fervor em aniquilar os judeus era grande que seu subordinado, Friedrich apesar de ter boa índole e não se conformar com os horrores, era obrigado a cumprir certas ordens. Sua mãe ingenuamente o estimulara a entrar para o exército alemão pois considerava um grupo moral. Mas já no treinamento ele pode perceber que estava sendo treinado para ser um assassino e não soldado, mais especificamente para matar judeus.

Chegou aos ouvidos do Joseph que seu sogro estava na mira desse Karl Dexler. Moses resolveu fugir deixando toda a família. Quando apareceram na casa para procura-lo disseram que havia falecido de pneumonia. Joseph e Daniel à frente de Karlx tinham vontade de mata-lo. Não satisfeito com a susposta invenção sobre a morte de Moses, o general pediu à todos seus soldados que estavam atrás em posição procurassem todas as mulheres e crianças na casa. Ao invés de Joseph ficar parado como havia sido mandado, enfrentou e foi até o quarto de Ester pedindo que pegasse Miriam e ficassem com ele. O choro das crianças (sobrinhos de Ester)e das mães tomou conta do apto. Mandou Moses se apresentar dentro de 8hs caso contrario mataria todos presentes no apto. Joseph violentou 3 soldados porém depois acabou sendo derrotado e ficando inconsciente. E nisso, deu ordens à Frederich de levarem a filha Miriam bebê. E em Paris, a família Gale cada vez mais preocupada com a ciência do que se passava na Polônia, mas o final para eles não foi muito diferente. Moses deciciu se entregar à Gestapo, mas estava disposto a fazer o possível para ter seus netos livres.

Com o levante da guerra, só sobreviveu Ester e Joseph, Miriam havia desparecido e o resto da família, falecido. Em 1948, com a criação do Estado de Israel,a família permaneceu em Jerusalém. Os palestinos que viviam em Haifa na Palestina sentiram-se pressionados a saírem. Muitos refugiados foram para o Líbano e arredores dentre eles a família de George e Mary Antoun, seus pais e filho Demetrius. Eles viviam na extrema pobreza e sonhavam sempre em um dia retornarem à Palestina. Mary resolveu revolucionar toda a família, se encorajar e se mudarem para o Líbano, na tentativa de uma vida melhor. E foi lá que Demetrius cresceu. Ele tinha um melhor amigo chamado Walid, e na adolescência ambos resolveram viajar para conhecer  a Jordânia e a Síria. Enquanto estavam no vilarejo de Kamareh nesse mesmo dia teve um bombardeio israelense e Walid acabou morrendo. E foi aí que sua raiva antes inexistente, começou a se aflorar sobre os israelenses. Na volta para sua cidade de Shatila, ainda arrasado com a perda do seu amigo-irmão, Demetrius resolveu fazer faculdade de medicina. A verdade é que Demetrius ficou decepcionado com a terra que os pais tanto sonhavam em voltar. Uma terra estéril (ainda antes dos judeus desenvolverem todas técnicas de fertilização). A família dele tentava discutir o destino que Demetrius deveria tomar e eram unânimes em achar que deveria guerrear contra Israel para retomarem a terra que a eles pertencia, sugerindo até por exemplo a assissinar o então primeiro-ministro de Israel Levi Eshkol. Porém Demetrius tinha uma visão muito diferente e era contra tudo isso apesar de muitos conhecidos dele terem sofrido com bombardeiros israelenses perdido entes queridos e querem de manera frenética uma vingança selvagem contra judeus.

Ele namorou com uma muçulmana que todos queriam que eles se casassem. Ela era professora em uma escola e um dia em uma apresentação dos alunos, a diretora fez um discurso que o tirou do sério e fez desistir da pontencial noiva. Dissera que o papel dos homens era lutar contra judeus e das mulheres, educar seus filhos para serem mártires, ensinando-os que era uma honra morrer a favor da pátria.

Quando Demetrius já exercia a medicina em uma clínica conheceu uma enferemeira com quem namorou chamada Christine. Um dia teve um bombardeio na cidade e ela estava em casa quando um soldado israelense (Michel Gale) avistou a namorada de Demetrius e apesar de supor que era árabe se encantou com sua beleza e tentou xaveca-la mas ela só conseguia sentir raiva. Michel Gale era filho de Ester e Joseph e já estava no exército. Chirstine na realidade não era árabe, era alemã. Seu pai era “ coincidentemente” o Frederich soldado que trabalhou para Karl Dexler que tanto prejudicou a família Gale). Ela amava os judeus, sentia admiração, talvez uma forma de compensar tudo que seu povo havia feito por eles. Ela contou toda história da guerra que seu pai havia contado sobre os horrores  que passou com a família Gale. Demetrius tinha um pensamento interessante: enquanto árabes e judeus se matarem “olho por olho” vão acabar todos cegos.

Os pais de Demtrius faleceram em um massacre da cidade. Antes de falecer, seu pai no leito do hospital pediu para que o chamassem que ele havia um segredo que precisava confessar antes de morrer. Ele contou que em 1948 teve uma bomba que explodiu no portão de Jaffa e matara seus 2 irmaos e 1 irmã. Quando ele saiu do cemitério, estava revoltado e fora de si e foi ajudar a viúva do irmão que morava próximo a um bairro judeu. Enquanto andava por lá, um grupo de judeus começou a jogar pedras nele dizendo para sair da cidade deles aumentando seu ódio. Nisso ele passou por uma casa de estranhos nesse bairro judeu e viu um bebê com uma mulher. Quando ela o colocou num berço e entrou para buscar alguma coisa, o pai de Demetrius se aproveitou e roubou rapidamente aquele bebê, contando que esse bebê era ele, o Demetrius. Portanto, ele acabara de descobrir que era adotivo e de família judia, sua decepção não poderia ser maior.

Nesse meio tempo, a filha adotiva de Ester Gale (Jordan filha de amigos que foram mortos e a deixaram órfã) estava revoltada com a situação de Jerusalém de guerras e decidiu fugir para NY. Quando acabou a guerra na Síria e Michel voltou para casa, sua mae pediu para que fosse atrás de sua irma nos EUA. Coincidentemente, Demetrius depois de presenciar e cuidar de tanto feridos de guerra em sua clínica, já muito decepcionado com sua cidade e diante agora da notícia sobre sua origem, resolveu partir com sua namora rumo a NY. Ele fora convidado a trabalhar lá. Uma noite, teve uma festa na casa do médico chefe. E quem eles encontram? Inacreditavelmente, o soldado israelense que tanto já havia aparecido na vida deles estava lá e com isso já recomeçou sua cantada para Chirtine. Sua irmã Jordan havia combinado de ir à festa também (ela era vizinha do prédio desse médico). E quando apareceu, simplesmente Demetrius que não sabia quem era ficou completamente encantado por sua beleza ruiva e olhos verdes. E nessas os papos foram rolando em paralelo Michel x Christine e Jordan x Demetrius. Christine inconformada com o que estava vendo à sua frente, muito aborrecida resolveu sair da festa com Michel.

Michel levou Christine para Jerusalém para apresentar sua família e nisso acabou contando quem era o pai. Joseph ao reconhecer o nome do Frederich que tantos apuros passaram durante a guerra e a mae, Ester desde então curiosa em saber o paradeiro de sua filha Miriam se ainda estava viva, pediu para que chamasse a família dela para virem da Alemanhã até lá contar o final da história do horror.

Enquanto isso em NY, Demetrius apaixonado pedira Jordan em casamento e decidiram ir a Jerusalém também apresenta-lo aos pais e ela estava grávida.

Chegando lá, os pais de Christine, Eva e Fredereich stavam contando sobre os horrores vividos e a resposta que Ester mais temia veio à tona: Miriam e todas as crianças que estavam juntas foram mortas com mordidas de cachorros postos à frente deles, uma tragédia. Ela não conseguia ouvir aquilo e acabou com a noite da família toda. Nesse interim, chegou Jordan e Anna Taylor, vizinha e muito amiga da família, resolveu acomodar Demetrius na casa dela diante do peso que estava naquela casa.

No dia seguinte, no café da manhã na casa de Anna Taylor, Demetrius conversou bastante com ela e surgiu um assunto confidencial da família de Jordan. Contou que 6 dias após o nascimento do bebê Daniel, filho de Ester e Joseph porque Demetrius dissera que tinha curiosidade de conhecer o bairro onde seus tios moravam Musrara próximo de um bairro judaico e então a história veio na mente de Anna. Ela disse para  por favor não fazer Jordan ir até lá pq a história trágica do seu irmão aconteceu lá. Contou que foi lá que o bebê Daniel fora levado, roubado contando os detalhes da outra versão da história que seu pai Geroge havia contado. Diante da surpresa dos fatos de que seria supostamente filho da família Gale e irmão da sua própria noiva de quem engravidou, ele fugiu.

Anna correu para casa da família Gale procurando por ele e não encontrou. Jordan estava apavorada e então Anna lembrou que ele lhe dissera que queria visitar seu bairro onde seus tios moravam. Christine lembrou da história que seu pai George contou antes do falecimento e foi contando para família que possivelmente queria procurar a família de quem teria sido roubado quando bebê. Ligando todos os fatos, Ester e Joseph chegaram a milagrosa conclusão de que na realidade Demetrius só poderia ser o filho deles roubado e sumido por todos esses anos. Jordan então concluiu que ele fugiu porque descobriu que eram irmãos e que, portanto, não poderiam se casar.

Michel contente com a descoberta de seu irmão fez de tudo para ir atrás de Demetrius com ajuda do exército. O encontraram e então Michel explicou que na verdade Jordan era irmã adotiva deles. E como num sonho, a família Gale reencontrou seu filho! FIM

Observação: Os massacres que tiveram nessa cidade Shatila do Líbano tinham objetivo de aniquilar o líder palestino Yesser Arafat que constituiu a OLP (organização de liberdade Palestina) após a criação do Estado de Israel em 1948. Inicialmente esse jovem engenheiro criou um grupo chamado Fatah que em 1965 começou a atacar alvos de fronteiras de Israel e em 1964 a Liga árabe criou a OLP e foi aí que iniciaram todas as intifadas e guerra que vemos até os dias de hoje. Minha reflexão sobre tudo isso é que impressiona como um líder no caso Yesser Arafat e em outros tempos Hitler, com sua capacidade de manipulação do povo conseguem criar e enraizar um ódio tão grande aos judeus. Claro que deviam ter muitos adeptos antes de tudo começar que sofreram com perdas de entes queridos e tinham intenção de se vingar, mas cabe a nós em cada geração com seu adversário contra os yehudim não subestimar, de fato uma pessoa bem articulada é capaz de aniquilar todo um povo.

PESSACH 2014

Oitavo ano de casado e oitavo ano de Pessach em casa B”H adoro. Hoje está acabando e apesar de cansativo assim 11 dias com as crianças em casa e tantos dias de chaguim e shabat e sem trabalho dá um pouco de shpilkes,mas agora que acabou bate uma deprê. Amo ficar entre família, todos com saúde B”H com crianças baguçando(até demais) muito bom mesmo. Vale cada minuto de limpeza,arrumação, compras e cozinha em pé.

Motse Shabat o Rony não estava se sentindo bem depois de alguns dias com febre e achei melhor leva-lo no OS do Enstein, porque logo entraria Chag de novo e então só depois de 3 dias poderíamos ir no médico. B”H que fomos, estava nidá e não sabia que ele estava com febre era uma sinusite que teve que tomar antibiótico. Comentei com a Sarah que levei meu quarto filho e ela na hora responde: na verdade ele é o primeiro porque veio antes da gente. E isso me fez refletir que apesar de que quando temos crianças pqnas e totalmente dependente de nós pra banheiro,comer,se transportar etc etc etc e acabamos deixando o marido pra segundo plano (apesar de não ser pelo menos no meu caso totalmente independentes, esse ano ele finalmente descobriu onde fica nosso armário de PessachL) não deveria afinal marido mesmo que Minashamaim nós que escolhemos, filhos Hashem nos dá!!

Outra reflexão do Chag: Sempre acho melhor não forcar as coisas na educação que damos com Torá, o melhor é dar exemplos e não brigar pra fazer as coisas como vejo que muitos fazem. Não é fácil dosar isso, porque , por exemplo, quando você não briga que está mexendo num mucsê shabat pode levar mais tempo até que a criança comece a respeitar,mas em algum momento mesmo que seja depois isso vai acontecer. Óbvio que não deixo de me preocupar será que eles vão seguir como nós, como nós queremos?! Nesse Chag a Sarah me provou isso.

Um dia subindo as pqnas escadarias da minha sogra (17 andar) comentei com ela que esse ano vai fazer BE”H 7 anos e que podia começar a fazer Bircat Hamazon depois das Seudót de Hamotsi e esqueci, falei sem pretensão nenhuma, imaginei que teria que repetir aquilo algumas vezes até que acontecesse. Pois bem, no dia seguinte, estava eu sozinha na mesa (sempre sou a ultima porque fico limpando arrumando tudo) fazendo Bircat Hamazon, vejo ela pegando um sentando do meu lado e fazendo bonitinha em volta um pco alta bem devagar. Vi depois de uns 10 mins que ela estava cansada então falei pra parar que com o tempo ela decora e ganha velocidade. Mas fiquei realmente impressioanada com o efeito do que falei. Isso me dá um ânimo quando me vejo repetindo mil vezes as mesmas frases principalmente agora com os meninos, ufa quanta alegria!!  

Próximo ano quero fazer Pessach aqui Be”H, fizemos no Igor e na Dina!!